terça-feira, 5 de outubro de 2010

O Prêmio Nobel de Medicina foi para o incrível dr. Robert Edwards


ESTOCOLMO (AFP) - O Prêmio Nobel de Medicina em 2010 foi atribuído ao pioneiro da fecundação in vitro, o britânico Robert Edwards, mais de 30 anos depois do nascimento do primeiro bebê de proveta, anunciou nesta segunda-feira o Comitê Nobel do Instituto Karolinska em Estocolmo.

Louise Joy Brown nasceu em 25 de julho de 1978. A menina foi o resultado concreto das pesquisas do professor Edwards, que ao lado do colega ginecologista Patrick Steptoe - falecido em 1988 - conseguiu fecundar uma célula em laboratório.


Desde Louise Brown, quase quatro milhões de crianças já nasceram graças à fertilização in vitro.


O professor Edwards, 85 anos, foi premiado pelo "desenvolvimento do tratamento da fecundação in vitro. Suas descobertas tornaram possível o tratamento da esterilidade que afeta uma grande parcela da humanidade e mais de 10% dos casais no mundo", explica o comunicado do Comitê Nobel.


Devido à saúde frágil, o cientista não teve condições de comentar o prêmio, segundo o comitê. Há alguns anos ele contou que chegou a ser chamado de "louco".


"Ninguém queria assumir riscos éticos. Me disseram que as crianças não seriam normais", afirmou à agência sueca TT.


Mas nesta segunda-feira, o júri do Nobel afirmou que a terapia é uma "etapa importante no desenvolvimento da medicina moderna".


O processo aplicado pelo professor Edwards consiste em fertilizar um óvulo em laboratório e deixar que o embrião inicie o desenvolvimento antes de implantá-lo no útero de uma mulher, onde se desenvolverá normalmente.


"Na minha opinião, é um Nobel amplamente merecido. Estou surpreso que tenha saído tão tarde", declarou à AFP o professor Martin Johnson, da Universidade de Cambridge, que trabalhou com Edwards nos anos 60 e elogiou o antigo mentor como "extraordinário, sempre otimista".


"Ele perseverou apesar de vários anos de críticas. Soube levar a obstetrícia e a ginecologia à idade moderna", completou.


Trigésimo britânico a receber um Nobel de Medicina, o professor Edwards nasceu em 1925 na cidade de Manchester.


Depois de ter prestado serviço militar na Segunda Guerra Mundial, estudou Biologia na Universidade de Gales e depois na Universidade de Edimburgo (Escócia), onde apresentou em 1955 uma tese sobre o desenvolvimento embrionário nos ratos.


Mais tarde, já em Cambridge, fundou com o professor Steptoe o primeiro centro mundial de fecundação in vitro, a Bourn Hall Clinic, e hoje é professor emérito da Universidade de Cambridge.


"Bob Edwards é um de nossos maiores cientistas. Seu trabalho inspirador no início dos anos 60 levou a um grande avanço, que melhorou a vida de milhões de pessoas em todo o mundo", declarou Mike Macnamee, diretor da Bourn Hall.


"Todas as pessoas que trabalharam com ele e foram tratadas por ele têm um grande afeto por ele. Estou muito feliz que meu grande mentor, companheiro de trabalho e amigo tenha sido reconhecido desta maneira", completou Macnamee.

Nenhum comentário:

Postar um comentário